Monday, November 06, 2006

Key Concepts at montalk.net

Key Concepts

4/25/2004 – This is a short overview of ideas presented at montalk.net. Deeper overviews of specific subjects can be found as intros to each section of the site.

God

- Source of all creation
- Projects two aspects of itself: pure individuated consciousness, and
- Matter/energy
- Infuses matter/energy with fragments of its own consciousness
- Infinite intelligence exploring its infinite potential through an infinite variety of finite fragments allows individuated fragments to expand via learning until they unite with the whole
- Does not diminish in size when a fragment is created…the process is holographic replication
- Also called Creator, Source, the All

Soul and Spirit

-
Aggregates of conscious energy, holographic fragments of God
- Soul is “lifespark”; characterized by awareness and consciousness
- Spirit is “Godspark”; characterized by self-awareness and individualized consciousness
- Mineral, plant, animal, and human souls differ in complexity and level of individuality whereas minerals, plants, and animals are growing their souls, humans are developing their spirit
- In higher planes of reality, beings may exist without a physical body
- While occupying a physical body, genetics tend to match spirit/soul nature—if spirit or soul is present
- Large mismatches in genetics and soul frequency result in failure to incarnate properly
- Slight mismatches cause gradual mutations in one to accommodate the other; genetics change with soul growth and vice versa
- The developed human individual is composed of physical body, soul (etheric and astral body) and spirit (volitional and mental body)

Evolution

-
Physical evolution is due to natural selection, random mutation, conscious selection, and conscious mutation
- Human evolution is mostly artificial; either DNA mutates to conform to alien soul frequency, or else DNA is artificially altered through advanced genetic engineering by certain alien factions
- Because body must match soul, the death of a species means loss of compatible bodies for purposes of reincarnation. Thus physical life seeks physical survival and propagation of genes.
- The purpose of physical evolution is to accommodate and serve spiritual evolution
- Spiritual evolution is the accumulation of individuality, self-awareness, and knowledge

Morality

-
All that encourages spiritual evolution is called positive, all that hinders it is called negative
- What causes pain and is self-serving is called “evil,” what is loving and altruistic is called “good”
- Good and evil are subjective and relative, but positive and negative are objective and absolute
- Proper balance between good and evil forces results in positivity
- Too much good leads to stagnation, too much evil leads to total destruction, which is negativity
- Balance is maintained by having both in proper ratio and diametric opposition
- One who fights solely for good or evil is a fool, one who fights strictly for positivity is a noble warrior
- Such a warrior will incorporate the proper balance of good/evil within himself, then seek to restore balance to negative systems

Freewill

-
some beings have more freewill than others
- the more consciousness, self-awareness, or spiritual evolution one possesses, the greater one’s freewill
- possession of freewill is useless until it is recognized and applied
- beings with freewill can be coerced into behaving as though they have none knowledge allows these deceived beings to regain the full use of their former freewill
- humans in general are beings with enormous amounts of freewill
- negative alien factions have instated a control system to trick humans into limiting their own freewill
- negative alien factions possess less freewill than humans, thus their reliance upon technology and subtle coercion as a form of spiritual jujitsu to overcome a spiritually greater opponent
- beings with actively applied higher levels of freewill, can override the actions, thoughts, and realities of beings with lower levels of freewill beings with lower freewill, either directly or indirectly serve beings of higher freewill
- physicality allows the violation of freewill between physical beings, the main reason why physical existence is a valuable experience in the path of spiritual evolution

Cosmology

-
Reality has multiple timelines, dimensions, and planes of existence including physical, astral, and etheric
- Physical reality is generated by a base level consciousness (Logos) whose behaviour is described by the laws of physics
- Logos is the soul of the physical universe, though without independent sentient consciousness, freewill, or creativity
- Logos provides the matter and energy for physical bodies into which independent consciousness (souls) incarnate
- entropy, logic, mathematics, rigidity, substance (instead of form), and linear time are keywords associated with the Logos
- The Logos is not God; it’s merely half of God, the other half being individual consciousness

Physics

- The speed of light is how fast finite consciousness propagates through linear space, an arbitrary quantity decided by the Logos.
- All of physical reality from beginning to end, in all its possible manifestations, was instantly created when the Creator projected its unified infinite self into an infinity of differentiated finite selves. Reality exists as a static fractal hologram, encompassing all possible modes of existence and experience. Through this holographic web of possibilities, consciousness chooses which frame of the hologram to experience, giving rise to the illusion of time.
- This choice is restricted by the Logos and opposing freewill of other beings
- The unified field is a scalar phase field, meaning a field where every point has its own value of phase
- Phase measures location along a wave, or the alignment between two waves
- Flows, whirls, and compressions in the scalar field give rise to electricity, magnetism, and gravity by itself, the phase field is amorphous and encompasses all probabilities and quantum wave functions
- Consciousness provides a coherent wave source interacting with the phase field and extracting a chosen slice of the hologram to experience as manifested physical reality
- There are three types of time: linear time, phase time, and spiritual time linear time is our conscious record of events, phase time measures the difference between parallel timelines, and spiritual time measures progress along the axis of spiritual evolution
- Physical reality as we know it moves forward in linear time and is entropic from a linear perspective, individual consciousness originates from the many probable futures and propagates backwards in linear time, negentropically affecting the probability of processes happening in the present
- When individual consciousness is coupled to physical reality, it experiences forward linear time
- When coupled to an astral, etheric, or higher dimensional body, time becomes nonlinear
- When coupled to no body, time becomes nonexistent and the soul unites with its Source


Humans

-
The human body is a biological vehicle whose great genetic diversity allows for the incarnation of a great diversity of souls/spirits
- Human genetics are unique in allowing potentially closer energetic interface with the Creator and the machine code of reality than most other physical life forms in the galaxy
- While physically uniform, mankind is metaphysically diverse
- Origins of souls in human bodies include native human, alien, animal group-souls, or artificial/nonexistent soul
- Aliens genetically engineered different human races by crossing various alien races with each other, crossing them with hominid and Neanderthal genetics already present on earth, and successively tweaking what resulted.

Aliens

-
Originate from other planets, dimensions, parallel realities, and times have countless reasons for being here but can be classified into positive, negative, and neutral factions
- Each alien race is composed of a mixed bag of factions of varying intentions
- Reside underground, on the moon and other planets, in space, underwater, and in higher levels of reality
- Have human counterparts, which are these alien souls incarnated in genetically tweaked human bodies
- Negative aliens abduct humans for mind programming purposes, physical and Etheric food, and hybrid breeding experiments
- Main negative groups at present are factions within the Gray and Reptilian races
- Grays primarily use humans as genetic stock to build a new hybrid race for incarnation
- Reptilians want humans as a natural physical and spiritual resource.

New World Order

-
NWO is a compartmentalized political entity seeking to subjugate humanity under a hostile alien agenda
- The NWO hierarchy is composed from the bottom up of negative factions of law enforcement and military, politicians, bankers, secret societies, aliens, and demonic beings from the lower astral planes
- The current goal is to politically unite humanity into a global nation and then hand over the reigns to alien factions
- This unification will be accomplished by rigged threats to humanity such as terrorism, nuclear war, planetary cataclysms, or alien invasions
- America is the NWO’s biggest threat due to her gun culture and libertarian foundations. The American government is the seat of the NWO.

Religion

-
There is no religion higher than truth
- Most organized religions are control systems to mentally and spiritually enslave humans and deprive them of freewill
- Most religions have alien origins, or else are corrupted by negative alien factions and their human counterparts who seek control over the masses
- Any religion demanding its followers pray or focus on a deity outside themselves is aiding in the transdimensional economy of spiritual energy robbery and consumption by non-physical beings
- Many religions were created specifically by the parent alien race to be followed by their human counterpart race
- Faith should only be used for yet-unknowable, not dogmatically ignored, phenomena
- Church is unnecessary as an aid to spiritual evolution and only acts as a social institution for social programming purposes
- Direct Gnostic communion with one’s inner guidance (God) is more valuable than any religion

Matrix Control System

-
Manipulates humanity via artificial synchronicity
- A synchronicity is a meaningful coincidence, or something that appears accidental but has a hidden purpose
- Suppresses individuality, awareness, and initiative by amplifying people’s weaknesses and subjecting them to emotionally draining melodramas
- It is a tool used by spiritually atrophied beings to subliminally control spiritually powerful humans
- It is built and maintained by negative hyper dimensional beings who require this energy for survival
- In more general terms, the matrix is the invisible control system around us which manipulates our minds, emotions, and actions without us noticing it
- It uses a variety of human agents to accomplish its job; anyone who lacks a soul or spirit is a prime Matrix agent
- Because they are directed by the Matrix, these agents exhibit coordinated hive-mind behaviour
- The matrix interfaces with the underlying “machine code” of our reality, and can manipulate certain aspects of our timeline to create circumstances that bias our choices
- At its core, the matrix is an etheric, pseudo-conscious machine that crunches data about our habits, emotional patterns, and present behavior in order to synchronistically insert an appropriate event in our life for effective control and the extraction of energy
- Because we are more conscious than the matrix, we can overcome it; it’s a matter of regaining and exercising our freewill through knowledge
- Viewed from the proper perspective, the matrix is merely a training program indirectly helping us discover our weaknesses, strengthen our soul, and act from our spiritual core.

Thursday, November 02, 2006

Fossil Fuel Consumption and its Implications

EarthTrends Update October 2006:

Fossil Fuel Consumption and its Implications

By Amy Cassara and Thomas Damassa

From small businesses to large economies, the long-term availability of energy worldwide is paramount to growth and development. Energy provides industry with a means to manufacture goods, generates the electricity and heat that we require on a daily basis, allows for the rapid transport of people and products, and enables food production and access to potable water.

The availability of energy in our current global framework relies extensively on the availability of fossil fuels: the oil, natural gas, and coal that together constitute 80 percent of global energy consumption.

Fossil Fuels in 2004


Consumption of fossil fuels varies by region and by country. The biggest consumers are the United States, China, and the European Union, accounting for more than half of all fossil fuel consumption (see above). Coal, which is not easily transported long distances, accounts for a large percentage of consumption where it is locally available, while oil and natural gas can be consumed far from their source of extraction--in 2004, trade in fuels totaled US$715 billion worldwide (World Bank, World Development Indicators 2006).

A Resource With Limits

Fossil fuels are an unsustainable resource; formed from the decay of plants and animals over millions of years, our planet has a finite number of deposits. Fuel reserves are also disproportionately distributed throughout the globe: the United States contains one-quarter of the world's coal reserves, while five countries in the Middle East contain approximately 60 percent of the world's oil. Global markets direct the buying and selling of fossil fuels between countries with ample resources (see below) and those with limited reserves, insufficient technology, or high energy demand. Trade in energy adds a socio-economic dimension to fossil fuels, with implications for energy security and the geopolitical landscape.

Largest Fossil Fuel Reserves

Although estimates of available reserves vary, at current annual rates of production about 155 years of coal, 40 years of oil, and 65 years of natural gas are left, worldwide (BP plc, Statistical Review of World Energy 2006).

The ability for each country to sustain its own energy demands without importing fuel can be measured by a nation's reserves-to-production ratio, which measures the number of years that proved reserves would last at current production rates. The map below shows reserves-to-production ratios for proved reserves of oil.

Global Oil Reserves-to-Production Ratios, 2004

Global Reserves-to-Production Ratio 2004

Global Reserves-to-Production Ratio 2004 Key

Beyond issues of availability, our pervasive use of fossil fuels is having significant environmental effects. The emission of carbon dioxide and other "greenhouse" gases from the combustion of these fuels is rapidly warming the planet, altering our climate system, and jeopardizing the well-being of both people and ecosystems. Fossil fuel combustion currently accounts for 61 percent of greenhouse gas emissions (WRI, Navigating the Numbers, 2005).

Changing Course

With a rapidly growing world population and burgeoning economic development across much of the world, issues of energy security and environmental degradation will likely grow increasingly prominent in national agendas. Achieving solutions will not be easy, but enhancing energy security and averting future harms to the environment is possible, and can also be profitable.

To reduce dependence and demand on fossil fuels, governments, businesses, and individuals can:

- Develop fossil fuel energy alternatives,
- Increase energy efficiency, and
- Reduce energy consumption.

Many countries, either by choice or necessity, have already utilized alternative forms of energy as their principal energy source. Fossil fuel alternatives, including hydropower, solar power, and biofuels, each have their own set of social and environmental consequences, both positive and negative (discussions of which are beyond the scope of this summary), but unlike fossil fuels, do provide opportunities for sustainable energy. Increases in energy efficiency can be achieved through both market mechanisms and technological innovations.

Individual actions can make a substantial difference in reducing global energy consumption. For example:

* Replacing incandescent light bulbs with compact fluorescent lamps (CFL's)--a little more expensive upfront, but CFL's last longer and use much less energy
* Walking, biking, using public transportation, or car pooling whenever possible
* Moderating heating and cooling--a couple of degrees can make a significant impact on energy consumption
* Turning off lights and electronic equipment when not in use--even in "standby" mode, electronics still consume energy
* Buying high efficiency cars and appliances
* Investing in renewable technologies
* "Greening" your office or company (please see highlighted publications)

Thank you for your continuing support of EarthTrends. Additional information and resources can be found by accessing the links below.

Sunday, October 22, 2006

Freeing Yourself from Consensus Reality

by Marsha Bartek

A child is born naturally with consciousness and knows instinctively he or she is part of all that is. Soon the energy of this world pushes and pulls on this child's unbounded awareness and moulds it to consensus reality.

Human thoughts and emotions over millennia have created collective habitual thought forms and emotional stimuli surrounding major events in human existence. For example, the loss of a job, a very common and universal occurrence in human life, brings up feelings of insecurity, alienation and fear of the future. All the feelings of anyone who came before concerning the loss of a job have a tendency to surface. It is almost like one does not have control of their own emotions and are involuntary pulled into the collage of feelings and thoughts. Even the change in seasons brings its own set of thoughts, social script and habitual reactions.

Every human event has a set of collective energies and emotions around it from all the people who came before. Adolescence, marriage, birth of a child, divorce, aging, loss of a loved one, and serious illness are a few examples. To be truly free one should have the ability to choose how he or she reacts to life's events, rather than acting involuntarily like a trained monkey.

The experience of being human itself has a set of energies around it from the thoughts and emotions of generation after generation who came before. Much of what surrounds the human condition is fear of mortality and the need for social approval. We learn from early childhood that love is conditional and we spend our lives trying to do things which will bring acceptance and love. Churches, schools, classmates, parents, teachers and the media teach this.

It seems to be true and is accepted by most people as gospel. But it is only true because we all buy into it. It is part of the consensus reality which has been habitually observed for millennia. Parents, teachers, schoolmates, TV and books limit the pure light of God within you that you experienced as a child as you focus it outward. Soon the child is living an unreal illusion just like everyone around him or her.

Over time our light gets bent and fractionated in many ways limiting us and reducing our available pathways. We are trained to see certain things and only believe certain things. We limit our consciousness. We only associate with certain kinds of friends, and we limit the things we are willing to do and to discuss.
What we emit affects global consciousness. If you emit anger, you are contributing to more anger in the world. The same with fear, hatred, jealousy and all the other lower energies.

To be real and act independently we have to pull away from consensus reality. We have to stop reacting out of habit or emotion. We need to learn to act rather than react. The key is to stay conscious in every moment and act from what is present in that moment. There is a unique energy in every moment. We have to be conscious of that energy and act within the context of that energy. The problem is there are many things which block our ability to stay present in the moment; pre-defined social scripts, pent up emotions which need to be expressed, past traumas we carry with us in our emotional bodies, just to name a few. Some people simply give their 'now' moments away in favour of what they think other people want.

Because of these blockages, at any moment we may start reacting based on these illusionary things in our minds and emotional bodies which have no place in the present moment. This happens a lot in human interactions. For example, a friend of mine met a woman at a social situation. They had a very nice chat over lunch. Later he went to talk to her and she was not interested in talking to him at all and just wanted to get away from him. He was surprised by her reaction, so he asked her what was wrong. She told him he reminded her of her father who was verbally abusive to her when she was a child. This event in her childhood stuck with her, so whenever she meets a man with dark hair and beard (which reminds her of her father), she immediately acts as if he was her father. She said she could not help how she felt.

We can practice disciplines to train our minds to stay present in the 'now' moment, such as Yoga, Tai Chi, and meditation. But actually, at the core of many hobbies and activities is this one universal truth of human existence. The best ballet dancers have had to master this ability to stay present in the moment. The champion surfers all have learned this lesson. The list goes on and on. Accomplished pianists, violinists, race car drivers, figure skaters, football players, tennis players and writers have refined there ability to stay present in the 'now' moment.

The above practices are limited to the particular activity. But, this is a skill we can generalize and apply to many situations in life. We can learn to practice 'now' moment awareness in social interactions by communicating with people on a level of awareness even in extreme situations. For example, someone I know went to Paris for a visit during the time when the President of the United States and the Prime Minister of France were exchanging angry words with each other. Europeans, especially the French, in general were viewing Americans negatively. But my friends were able to have a wonderful time in Paris interacting with the French. They were treated with kindness wherever they went. Why? Because they were acting in the 'now' moment with every human being they met. They treated them not as 'The French' but instead they saw and interacted with the person they were, not overlaying preconceived notions and expectations on them. The French people treated them as human beings in return.

Being in the 'now' moment releases an enormity of possibilities in our life. In this state we can always allow ourselves to expand and create from the moment. We can go into social interactions without 'ego'. This is tremendously freeing! Without the 'ego' there is nobody there to get his feelings hurt or to feel abused or rejected. Since you have not put up a target, you won't draw any arrows.

Simply don't bring the one with you who can get offended. Then the only thing to bring into the moment is what is serving the moment and that is perfect for the moment. Being conscious will tell us what that is.

Finding our individual consciousness is the first step in achieving Global Consciousness. Being conscious in the moment will automatically connect us to Global Consciousness. Nothing more needs to be done except monitoring what kind of energy we are sending out to the world, moment by moment.

Saturday, October 21, 2006

Beyond Karma ... Into Enlightened Living


By Lauren Zimmerman

For centuries Earth has served as a place where Souls can manifest a physical expression of Self in order to learn cause and effect and the impact of various actions and energies. One of the results of the decision to create such a reality was karmic law. For every action there would be a reaction. For every injury to another, there would be "repayment" to Self. The need for karmic law was what precipitated the process of forgetting who we are as we entered the physical plane. If we had taken on a physical reality, remembering who we are, in all of its totality, none of the lessons, the lack, the suffering, etc., would have occurred. On a Soul level, we know who we are and would not play out the situations we've been playing out for centuries.

Now, on this evolutionary path we're on, one of the things that needs to be released, changed, healed, is the need for karma. The scales must be balanced. The need to play out pain, suffering, lack, separation from Self and Soul, etc., must be left behind as we incorporate the Truth of Soul into our daily expression of life.

The knowledge we gain in higher dimensional aspects of life varies greatly from the knowledge (and methods of learning) gained in a 3-D expression of life. Though there are hoards of Souls who still choose to use the karmic laws in order to learn, there is an ever-increasing number of Souls who are choosing to experience a 3-D Earth experience with the expression of Soul and Soul-wisdom intact. The process we are currently undergoing is one of the "waves" of intelligence-gathering that are needed in order to break through the centuries of energy build-up that currently hold this dimensional experience "hostage," keeping people in the cycle of forgetfulness of Soul.

Though there will continue to be dimensional realities which support the process of learning through pain and suffering, it is time for Earth to be released from the role it's been playing. We, as a species, have volunteered to assist in the process of release. Part of the way we are doing this is by healing ourselves "out of" our learned behavior and the energy it has generated in Earth's and in our energetic fields.

The process we are moving through, the evolutionary process is not new within existence. However, it is new within the confines of Earth. We are being assisted and watched by, literally, billions of others who reside in other dimensions. What we learn and how we learn it and accomplish the goals we've set for ourselves is setting a precedent for future worlds. As we move through this process, one of the primary things we need to understand as we set this example for others is that there is no need for karma.

What do I mean by that? Karma was/is a law set up to "punish" ourselves and others for actions and deeds that are, in someone's estimation, "wrong." Who is that someone who makes these judgments? It is each of us. How do we form those judgments? We learn them in this reality ... from each other. How did we get to be judge and jury and authority? (Brace yourself.) We became judge and jury and authority by forgetting who we are as Soul.

As Soul we understand and follow the path of living that takes all things and people into account. There is the utmost of respect, honor, and love. There is no mistreatment of anything within existence. In other words, there is Divine Harmony. This is the reality that is Truth as defined by our Souls. However, there is a necessity to "lower" our vibrations and, for the time we take human form, forget our origins of Soul in order to learn and understand the entirety of existence and the cause and effect impact of various energies. Energies created by the acting out of free will.

When we, as a species, understand that free will is, ultimately, what is ours without having to earn it, without having to separate ourselves and our actions from God the Creator and the Will of God, we will have come to understand how to use free will for the benefit of all. But first we have created a reality in which free will is an experimental tool. And then we have played out each role we've taken in Earth's reality, studying the cause and effect and energetic impact of free will without Divine Alignment. Now we are learning to align free will with God's Will. This is the process of learning how to become true co-creators ... as we walk the path of learning to be Creators. Everything is nothing more than a process we choose to create as we learn to become Creators.

What this means as far as being judge, jury, and authority is that we are judging and labeling our Soul's efforts to learn. Now I can understand the instinctual outcry against these words and what they seem to imply. These words may sound like approval of acts such as abuse, murder, rape, famine, etc. What is truly being said, however, is that such acts do not exist when all things are in Divine Harmony and understanding of Soul. Mistreatment of others is not a reality or a factor in higher dimensional realities. However, when there is a need to learn, though the lessons may seem harsh and destructive, such things are permissible within certain confines. The bottom line is ... how can we form a judgment about something that serves as a tool in our quest to accomplish something far greater?

At this time in our history, it is time to accept that we have chosen to create a very harsh reality in our effort to become greater Souls. Now we have gathered enough knowledge, as a group, to move beyond this reality. Now is the time for us, as a species, to accept that the fact-gathering mission is complete and that the time is now to return to our Soul-origins and understandings and release the need to continue gathering data by studying karma, free will without the incorporation of God's Will, and what it feels like to be out of Divine Alignment.

As we continue releasing the past reality and embracing Soul's reality, we're going to be seeing massive changes in our personal and global worlds. Enlightened living, unifying and expressing life with Soul-expression, is gifting us with the chance to be non-judgmental, understanding, compassionate, and broad-minded. Each of us on Earth will have our own pace as we walk this road of learning to live "beyond" the reality of Humankind's history. Each of us, as we come to fully accept that every other person is an extension of us and an extension of God the Creator, will begin to interact with each other in a different way. Tolerance for the path each of us chooses to walk as we walk out of the darkness and into the Light will become first and foremost. As we take one step forward it will be instinctual behavior to turn and reach back and show others how we achieved that step.

Sometimes we will be walking blindly, stepping into the abyss, not knowing if we will fall or suddenly find ourselves capable of flight. If we hold the understanding that each person is walking the same path toward Light, looking for their way out of the darkness, our judgments of them will become less severe, our understanding greater, our compassion deeper. They are, in fact, a part of us that has served all Souls in an effort to understand God's existence to the nth degree with the goal of making existence better for all. They are, after all, simply extensions of God and ourselves, seeking to bring a world of darkness into the Light.

As we incorporate our Souls into our physical expression of life on Earth, we will be drawing into this reality answers, wisdoms, solutions, (and more) from far beyond the reaches of the human mind. We will begin to see things we never imagined, experience things we've never dreamed. As Soul exists far beyond the reaches of the human mind, we must understand that it offers gifts of all kinds that may seem far, far beyond what we have called "science fiction." Soul has no limits, no boundaries, and no end to wisdom. As we draw Soul-wisdom into our daily lives we cannot judge what we will see and receive. Soul's interaction in our 3-D reality, as we continue the process of moving out of the darkness, is going to show us things we could not possibly conceive of ... with limited, human thinking. Moving beyond limited, human thinking is essential in order to embrace the gift of Light we, as a species, are creating.

Healing Into the Moment. Introduction to the Crystal Ray.

By Lauren Zimmerman

As our reality and our Earth-society reaches for understanding and attempts to heal into a higher state of awareness and grace, each person begins to reach for the awareness of the part they play in the greater picture. Part of this awareness comes through the achievement of personal peace within, a place where we can become quiet and reflect upon the entirety of who we are.

Because our reality has a foundation of consensual agreement (to create our world in the manner we see around us, albeit subconsciously, for the most part), it becomes imperative for each of us to take the necessary steps toward personal healing.
As we live in the chaos that surrounds us, each of us seek a quiet place within that will help us make sense of our own lives as well as the reality in which we live.

The first step toward creating a better world for ourselves as well as for the entirety of Earth-society is to realize the part we play individually and collectively. Our reality is an energy-based reality, made up entirely of energy. Energy is, in its natural state, free flowing, which means that it has no barriers to contain it. When viewed from a distant and detached point of view, our reality is nothing more than a mass of chaotic energy based upon emotional actions and reactions. When we begin to accept and understand this fact, we have taken the first step toward healing our world.

The thoughts and actions that we take on a daily basis impact the energy of our world. Each of us is deeply affected by the energies both within and around us. Our bodies are bodies of energy. Energy affects energy because it has no barriers. The understanding of this fact will have a major impact on the way we think and react to the world. Energy, because of its very nature, has nothing to guide its path except its creator.

In other words, energy will take the path of least resistance unless directed to do otherwise. What this means is that each creator of energy, whether it is in the form of emotion, thought, or action is responsible for the energy created, the energy that each of us is sending into the collective energy that makes up our reality/world.

As an energetic be-ing, each person is touched and affected by the energy of others on a minute-to-minute basis. Thoughts are emitted into the atmosphere as energetic forms. When you think about this fact you begin to realize that millions of new energy forms are created in every second of every day and that each atom of energy is capable of altering your personal energy field. We cannot, of course, stop the constant influx of energies into our world. However, we can learn to monitor the energies within and around us, thus causing our personal healing to progress.

When people begin to see themselves as energetic forms, the process of healing and understanding begins. Each person who shares space with another person affects that person on an energetic level. How then do we discern which energies are our own and which energies are those being created by the people around us? The first key lies in aligning with the truth of who and what we are.

Divine Alignment is the term used for accessing and aligning with the personal origin, the Soul. The energy of Divine Alignment is pure. It resonates from the energy of the Soul, untouched by the energy of the life experience each of us is currently undergoing.
As a Soul, each of us has chosen to experience this lifetime.

However, the energies that we experience (thoughts, emotions, situations, etc.) impact us and often cause a misalignment of our original intention and purpose. To re-create the energy of Divine Alignment is to step back into the energy of why we chose to be in this place and time, living the experiences we are living.

When we accept that our Soul is the primary creator/reason for being in this place and time, we begin to stop resisting the life experience and begin to look for answers and direction from Soul.

Each life experience, because it is made up of energy, resides within each person's energetic field. The amount of time the energy stays and the impact the energies have varies, depending upon a person's emotional reaction to the experience. Emotional energy is the primary cause of misalignment with the Soul's original intention. When the process of Divine Alignment begins within a personal energy field, the energies of the life experience begin to heal, transmute, and align with the Soul's original purpose.

The Soul is detached from the life experience, understanding that there is a reason for all things and that all things will serve to provide a greater understanding of the Divine. Alignment with Soul provides each of us with the ability to dispassionately observe the energies and the learning experiences that we have. One of the greatest keys to successfully healing into a state of grace is to learn to observe your life experience with the eyes of the Soul.

One of the greatest tools for Divine Alignment is the Crystal Ray.
Composed of several aspects, the Crystal Ray's most critical aspect is a thread-like crystalline fiber of energy that emanates from the Soul to penetrate the energy field of the human body. As a thread of crystalline energy, it extends from the depth of Soul, sharing energy, wisdom, and Divine Alignment with an aspect of itself ... the human aspect that each of us use to define ourselves.

The Crystal Ray, because of its energetic make-up, is capable of piercing the energies that surround us, bringing the pure energy of Soul into our energetic experience without prejudice or interference. Because crystalline energy amplifies energies that interact with it, the Crystal Thread is capable of magnifying the Soul's energy and intention to interact and align with the Earth-aspect of itself.

The simple intention of aligning with Soul creates an energy that causes the Universe to respond. Each Soul hears and reacts to the energy of the desire and intention. To issue forth the energy of thought and intention begins the process of Divine Alignment.
In the next issue an in-depth discussion of Divine Alignment and the Crystal Ray will be presented. Until that time, simply visualizing the Crystal Thread emanating from Soul and traveling through time and space to merge with your personal energy will be a beginning point on the journey to self-awareness and personal peace.

Thursday, January 05, 2006

Happy New Year

 Posted by Picasa

A ARTE DE VIVER




"O homem nasce para atingir a vida, mas tudo depende dele. Ele pode perdê-la. Ele pode seguir respirando, ele pode seguir comendo, ele pode seguir envelhecendo, ele pode seguir se movendo em direção ao túmulo - mas isso não é vida. Isso é morte gradual, do berço ao túmulo, uma morte gradual com a duração de setenta anos.
E porque milhões de pessoas ao redor de você estão morrendo essa morte lenta e gradual, você também começa a imitá-los.
As crianças aprendem tudo daqueles que estão em volta delas e nós estamos rodeados pelos mortos.
Então temos que entender primeiro o que eu entendo por 'vida'. Ela não deve ser simplesmente envelhecer. Ela deve ser desenvolver-se. E isso são duas coisas diferentes. Envelhecer, qualquer animal é capaz. Desenvolver-se é prerrogativa dos seres humanos. Somente uns poucos reivindicam esse direito.
Desenvolver-se significa mover-se a cada momento mais profundamente no princípio da vida; significa afastar-se da morte - não ir na direção da morte. Quanto mais profundo você vai para dentro da vida, mais entende a imortalidade dentro de você. Você está se afastando da morte: chega a um momento em que você pode ver que a morte não é nada, apenas um trocar de roupas ou trocar de casas, trocar de formas - nada morre, nada pode morrer. A morte é a maior ilusão que existe.
Como desenvolver-se? Simplesmente observe uma árvore. Enquanto a árvore cresce, suas raízes crescem para baixo, tornam-se mais profundas. Existe um equilíbrio; quanto mais alto a árvore vai, mais fundo as raízes vão. Na vida, desenvolver-se significa crescer profundamente para dentro de si mesmo - que é onde suas raízes estão.
Para mim o primeiro princípio da vida é meditação. Tudo o mais vem em segundo lugar. E a infância é o melhor momento. À medida que você envelhece, significa que você está chegando mais perto da morte, e se torna mais e mais difícil entrar em meditação. Meditação significa entrar na sua imortalidade, entrar na sua eternidade, entrar na sua divindade. E a criança é a pessoa mais qualificada porque ela ainda está sem a carga da educação, sem a carga de todo o tipo de lixo. Ela é inocente.
Mas infelizmente a sua inocência está sendo considerada como ignorância. Ignorância e inocência tem uma similaridade, mas elas não são a mesma coisa. Ignorância também é um estado de não conhecimento, tanto quanto a inocência é. Mas também existe uma grande diferença que passou despercebida por toda a humanidade até agora. A inocência não é instruída - mas também não é desejosa de ser instruída. Ela é totalmente contente, preenchida...
O primeiro passo na arte de viver será criar uma linha de demarcação entre ignorância e inocência. Inocência tem que ser apoiada, protegida - porque a criança trouxe com ela o maior tesouro, o tesouro que os sábios encontram depois de esforços árduos. Os sábios têm dito que se tornaram crianças novamente, que eles renasceram...
Sempre que você perceber que perdeu a oportunidade da vida, o primeiro princípio a ser trazido de volta é a inocência. Abandone o seu conhecimento, esqueça as suas escrituras, esqueça as suas religiões, suas teologias, suas filosofias. Nasça novamente, torne-se inocente - e a possibilidade está em suas mãos. Limpe a sua mente de todo conhecimento que não foi descoberto por você mesmo, de todo conhecimento que foi tomado emprestado dos outros, tudo o que veio pela tradição, convenção, tudo o que lhe foi dado pelos outros - pais, professores, universidades. Simplesmente desfaça-se disso. Novamente seja simples, mais uma vez seja uma criança. E esse milagre é possível pela meditação.
Meditação é apenas um método cirúrgico não convencional que corta tudo aquilo que não é seu e só preserva aquilo que é o seu autêntico ser. Ela queima tudo o mais e o deixa nu, sozinho embaixo do sol, no vento. É como se você fosse o primeiro homem que tivesse descido na Terra - que nada sabe e que tem que descobrir tudo, que tem que ser um buscador, que tem que ir em peregrinação.
O segundo princípio é a peregrinação. A vida deve ser uma busca - não um desejo, mas uma pesquisa: não uma ambição para tornar-se isso, para tornar-se aquilo, um presidente de um país, ou um primeiro-ministro, mas uma pesquisa para encontrar 'Quem sou eu?'. É muito estranho que as pessoas que não sabem quem elas são, estão tentando se tornar alguém. Elas nem mesmo sabem quem elas são neste momento! Elas não conhecem os seus seres - mas elas têm um objetivo de vir a ser. Vir a ser é a doença da alma. O ser é você e descobrir o seu ser é o começo da vida. Então cada momento é uma nova descoberta, cada momento traz uma alegria. Um novo mistério abre as suas portas, um novo amor começa a crescer em você, uma nova compaixão que você nunca sentiu antes, uma nova sensibilidade a respeito da beleza, a respeito da bondade.
Você se torna tão sensível que até a menor folha de grama passa a ter uma importância imensa para você. Sua sensibilidade torna claro para você que essa pequena folha de grama é tão importante para a existência quanto a maior estrela; sem esse folha de grama, a existência seria menos do que é. E essa pequena folha de grama é única, ela é insubstituível, ela tem a sua própria individualidade.
E essa sensibilidade criará novas amizades para você - amizades com árvores, com pássaros, com animais, com montanhas, com rios, com oceanos, com as estrelas. A vida se torna mais rica enquanto o amor cresce, enquanto a amizade cresce...
Quando você se torna mais sensível, a vida se torna maior. Ela não é um pequeno poço, ela se torna oceânica. Ela não está confinada a você, sua esposa e seus filhos - ela não é confinada de jeito algum. Toda essa existência se torna a sua família e a não ser que toda essa existência seja a sua família, você não conheceu o que é a vida. - porque homem algum é uma ilha, nós estamos todos conectados. Nós somos um vasto continente, unidos de mil maneiras. E se o nosso coração não está cheio de amor pelo todo, na mesma proporção a nossa vida é diminuída.
A meditação lhe traz sensibilidade, uma grande sensação de pertencer ao mundo. Este é o nosso mundo - as estrelas são nossas e nós não somos estrangeiros aqui. Nós pertencemos intrinsecamente à existência. Nós somos parte dela, nós somos o coração dela.
Em segundo lugar, a meditação irá lhe trazer um grande silêncio - porque todo o lixo do conhecimento foi embora, pensamentos que são partes do conhecimento foram embora também... Um imenso silêncio e você é surpreendido - esse silêncio é a única música que existe. Toda música é um esforço para manifestar esse silêncio de algum modo.
Os videntes do antigo oriente foram muito enfáticos a respeito da questão de que todas as grandes artes - música, poesia, dança, pintura, escultura - são todas nascidas da meditação. Elas são um esforço para, de algum modo, trazer o incompreensível para o mundo do conhecimento, para aqueles que não estão prontos para a peregrinação - presentes para aqueles que ainda não estão prontos para partirem na peregrinação. Talvez uma canção possa despertar um desejo de ir em busca da fonte, talvez uma estátua.
Na próxima vez que em você entrar em um templo de Gautama Buda ou de Mahavira, sente-se silenciosamente e olhe a estátua... porque a estátua foi feita de tal forma, em tal proporção que se você olhá-la, você cairá em silêncio. É uma estátua de meditação; não é a respeito de Gautama Buda ou de Mahavira...
Naquele estado oceânico, o corpo toma uma certa postura. Você próprio já observou isso, mas não estava alerta. Quando você está com raiva, você observou? seu corpo tomou uma certa postura. Na raiva você não pode manter as suas mãos abertas: na raiva, a mão se fecha. Na raiva você não pode sorrir - ou você pode? Com uma certa emoção, o corpo tem que seguir uma certa postura. Pequenas coisas estão profundamente relacionadas no interior... Uma certa ciência secreta foi usada por séculos, de modo que as gerações futuras pudessem entrar em contato com as experiências das gerações mais velhas - não através de livros, não através de palavras, mas através de algo que vai mais profundo - através do silêncio, através da meditação, através da paz. À medida que seu silêncio cresce, sua amizade cresce, seu amor cresce; sua vida se torna uma dança, momento a momento, uma alegria, uma celebração.
Você já pensou sobre o porquê, em todo o mundo, em toda cultura, em toda sociedade, existem uns poucos dias no ano para a celebração? Esses poucos dias para a celebração são apenas uma compensação - porque essas sociedades tiraram toda a celebração de sua vida e se nada é dado para você em compensação, sua vida pode tornar-se um perigo para a cultura. Toda cultura criou alguma compensação e assim você não se sentirá completamente perdido na miséria, na tristeza... Mas essas compensações são falsas. Mas no seu mundo interior pode existir uma continuidade de luz, canções, alegria.
Sempre lembre-se que a sociedade o compensa quando ela sente que a repressão pode explodir em uma situação perigosa se não for compensada. A sociedade encontra algum jeito de lhe permitir soltar a repressão. Mas isso não é a verdadeira celebração, e não pode ser verdadeira. A verdadeira celebração deveria vir de sua vida, na sua vida.
E a celebração não pode estar de acordo com o calendário, que no primeiro dia de novembro você irá celebrar. Estranho, o ano todo você é miserável e no primeiro dia de novembro, de repente, você sai da miséria, dançando. Ou a miséria era falsa ou o primeiro de novembro é falso.; ambos não podem ser verdadeiros. E uma vez que o primeiro de novembro se vai, você está de volta em seu buraco negro, todo mundo em sua miséria, todo mundo em sua ansiedade.
A vida deveria ser uma celebração contínua, um festival de luzes por todo o ano. Somente então você pode se desenvolver, você pode florir. Transforme pequenas coisas em celebração... Tudo o que você faz deveria expressar a si próprio; deveria ter a sua assinatura. Então a vida se torna uma celebração contínua.
Inclusive se você adoece e você está deitado na cama, você fará daqueles momentos de repouso, momentos de beleza e alegria, momentos de relaxamento e descanso, momentos de meditação, momentos para ouvir música ou poesia. Não há necessidade de ficar triste porque você está doente. Você deveria estar feliz porque todo mundo está no escritório e você está na cama como um rei, relaxando - alguém está preparando chá para você, o samovar está cantando uma canção, um amigo se oferece para vir e tocar flauta para você. Essas coisas são mais importantes do que qualquer remédio. Quando você está doente, chame um médico. Mas, mais importante, chame aqueles que o amam porque não existe remédio mais importante que o amor. Chame aqueles que podem criar beleza, música, poesia à sua volta, porque não existe nada que cure como uma atmosfera de celebração.
O medicamento é o mais baixo tipo de tratamento. Mas parece que nós esquecemos tudo, assim nós temos que depender dos medicamentos e ficar rabugentos e tristes - como se você estivesse perdendo uma grande alegria que havia quando você estava no escritório! No escritório você era miserável - simplesmente um dia de folga, mas você também se agarra à miséria, você não a deixa ir.
Faça todas as coisas criativas, faça o melhor a partir do pior - isso é o que eu chamo de arte. E se um homem viveu toda a vida fazendo a todo momento uma beleza, um amor, um desfrute, naturalmente a sua morte será o supremo pico no empenho de toda a sua vida. Os últimos toques... sua morte não será feia como ordinariamente acontece todo dia com todo mundo. Se a morte é feia, isso significa que toda a sua vida foi um desperdício. A morte deveria ser uma aceitação pacífica, uma entrada amorosa no desconhecido, um alegre despedir-se dos velhos amigos, do velho mundo...
Comece com a meditação e muitas coisas crescerão em você - silêncio, serenidade, êxtase, sensibilidade. E o que quer que venha com a meditação, tente trazer para a sua vida. Compartilhe isso, porque tudo o que é compartilhado cresce mais rápido. E quando você atingir o momento da morte, você saberá que não existe morte. Você pode dizer adeus, não existe nenhuma necessidade de lágrima de tristeza - talvez lágrimas de felicidade, mas não de tristeza."

OSHO, O Livro da Cura Posted by Picasa

Playing with photoshop

Posted by Picasa

Me in black & white

 Posted by Picasa

O Processo da Mente







"A coisa mais difícil, quase impossível, para a mente, é permanecer no meio, é permanecer equilibrada. E o mais fácil é movimentar-se de um pensamento para o seu oposto. Movimentar-se de uma polaridade para a polaridade oposta é a natureza da mente. Isso tem que ser entendido muito profundamente, porque sem que você entenda isso, nada poderá levar você à meditação.
A natureza da mente é movimentar-se de um extremo a outro, ela depende do desequilíbrio. Se você estiver equilibrado, a mente desaparece. A mente é como uma doença: quando você está desequilibrado ela está ali, quando você está equilibrado ela não está ali.
É por isso que é fácil para uma pessoa que come muito fazer jejum. Isso parece sem lógica, porque nós pensamos que uma pessoa que é obcecada por comida não consegue jejuar. Mas você está errado. Somente uma pessoa que é obcecada por comida pode jejuar, porque jejuar é a mesma obsessão no sentido oposto. Na verdade não houve mudança em você. Você continua obcecado por comida. Antes você comia muito e agora você está faminto - mas o foco da mente continua na comida, a partir de um extremo oposto.
Um homem que tenha se entregue em demasia ao sexo, pode ser tornar um celibatário muito facilmente. Não há nenhum problema. Mas é difícil para a mente fazer uma dieta certa, é difícil para a mente estar no meio.
Porque é difícil estar no meio? Isso é exatamente igual ao pêndulo de um relógio. O pêndulo vai para a direita, e daí se move para a esquerda, então de novo para a direita, e depois de novo para a esquerda. O relógio inteiro depende desse movimento. Se o pêndulo parar no meio, o relógio pára. E quando o pêndulo se move para a direita, você pensa que ele está somente indo para a direita. Mas, ao mesmo tempo que ele está indo para a direita, ele está juntando momento* para ir para a esquerda. Quanto mais ele se move para a direita, mais energia ele reúne para se mover para a esquerda, para o oposto. Quando ele está se movendo para a esquerda ele está de novo reunindo momento para se mover para a direita.
Sempre que você come demais, você está reunindo momento para fazer jejum. Sempre que você se entrega em demasia ao sexo, mais cedo ou mais tarde, o celibato, o brahmacharya se tornará atraente para você.
E o mesmo está acontecendo a partir do pólo oposto. Vá e pergunte aos chamados sadhus, aos bhikkhus, aos sannyasins. Eles firmaram um propósito de permanecer celibatários; e agora a mente deles está reunindo momento para se movimentar em direção ao sexo. Eles firmaram um propósito de ficarem com fome, de passar fome e a mente deles está constantemente pensando em comida. Quando você está pensando muito a respeito de comida, isso mostra que você está reunindo momento para comer. Pensar significa momento. A mente começa fazer arranjos para ir ao oposto.
A primeira coisa: sempre que você se move, você também está se movendo para o oposto. O oposto está escondido, ele não é aparente.
Quando você ama uma pessoa, você está reunindo momento para odiá-la. É por isso que somente amigos podem se tornar inimigos. Você não pode se tornar um inimigo sem que primeiro você tenha se tornado um amigo. Amantes discutem e brigam. Só os amantes podem discutir e brigar, porque a não ser que você ame, como você poderá odiar?A não ser que você tenha se movido para a extrema esquerda, como você poderá se mover para a direita? Pesquisas modernas dizem que isso que se chama amor é um relacionamento de íntima inimizade. Sua esposa é a sua inimiga íntima e seu marido é o seu inimigo íntimo - ambos inimigos e íntimos. Parecem opostos, sem lógica, porque nós ficamos ponderando como alguém que é íntimo pode ser inimigo? Alguém que é amigo, como pode também ser o adversário? A lógica é superficial. A vida vai mais fundo. Na vida, todos os opostos se juntam, eles existem juntos. Lembre-se disso, porque então meditação se torna equilíbrio.
Buda ensinou oito disciplinas e para cada disciplina ele usava a palavra certa. Ele dizia: o esforço certo, porque é muito fácil mover-se da ação para a inação, do despertar para o dormir, mas permanecer no meio é difícil. Quando Buda usa a palavra certa, ele estava dizendo: não se mova para o oposto, simplesmente permaneça no meio. A comida certa - ele nunca disse jejum. Não se entregue em demasia à comida e não se entregue ao jejum. Ele dizia: comida certa. Comida certa significa permanecer no meio.
Quando você permanece no meio você não está reunindo momento algum. E essa é a beleza disso: um homem que não está reunindo momento algum para se mover a qualquer lugar, pode estar à vontade consigo mesmo, pode se sentir em casa.
Você nunca pode se sentir em casa, porque qualquer coisa que você faz, imediatamente você terá que fazer o oposto para equilibrar. E o oposto nunca equilibra, ele simplesmente dá a você a impressão de que você está se tornando equilibrado, mas você terá que se mover para o oposto de novo.
Um buda não é amigo nem inimigo de alguém. Ele simplesmente parou no meio - o relógio não está funcionando... Quando a sua mente pára, o tempo pára, quando o pêndulo pára, o relógio pára...
O tempo é criado pelo movimento da mente, exatamente como o movimento do pêndulo. A mente se move, você sente o tempo. Quando a mente não está se movimentando, como você pode sentir o tempo? Quando não há qualquer movimento, o tempo não pode ser sentido. Cientistas e místicos concordam nesse ponto: que o movimento cria o fenômeno do tempo. Se você não está se movendo, se você está parado, o tempo desaparece, a eternidade chega à existência.
O seu relógio está se movendo rapidamente e o seu mecanismo é movimento de um extremo ao outro.
A segunda coisa a ser entendida a respeito da mente é que a mente sempre quer o que está distante, nunca o que está perto. O que está perto é enfadonho, você fica farto dele. O distante lhe dá sonhos, esperanças, possibilidades de prazer. Assim, a mente sempre está pensando no distante. É sempre a mulher de alguma outra pessoa que é atraente e bonita; é sempre a casa de alguma outra pessoa que o obceca; é sempre o carro de alguma outra pessoa que fascina você. É sempre o que está distante. Você fica cego para o que está perto. A mente não consegue ver aquilo que está muito perto. Ela somente pode ver aquilo que está muito longe.
E o que está muito longe, o que está mais distante? O que está mais distante é o oposto. Você ama uma pessoa - agora o fenômeno mais distante é o ódio. Você está comendo demais - agora o fenômeno mais distante é o jejum. Você está celibatário - agora o fenômeno mais distante é o sexo. Você é um rei - agora o fenômeno mais distante é ser um monge.
O que está mais distante é aquilo com que sonhamos mais. Ele atrai, ele obceca, ele segue chamando, convidando você e então, quando você tiver alcançado o outro pólo, este local de onde você partiu em caminhada se tornará belo novamente. Divorcie-se de sua esposa e após uns poucos anos ela terá ganho beleza novamente...
Para a mente, o oposto é magnético e a não ser que, através da compreensão, você transcenda isso, a mente continuará se movendo da esquerda para a direita, da direita para a esquerda, e o relógio continua. Ele tem continuado por muitas vidas e é assim que você tem sido enganado - porque você não compreende o mecanismo. De novo o distante se torna atraente e de novo você começa uma nova caminhada. E no momento em que você alcança o seu objetivo, aquilo que antes era seu conhecido e que agora está distante, de novo se torna atraente, agora se torna uma estrela, alguma coisa valiosa.
Eu estive lendo a respeito de um piloto que estava voando sobre a Califórnia com um amigo. Ele lhe disse: "Veja lá embaixo aquele belo lago. Eu nasci perto dele, ali está a minha vila". Ele apontou para uma pequena vila numa colina próxima ao lago. E ele disse: "Eu nasci ali e quando eu era criança eu costumava sentar próximo ao lago para pescar. Pescar era o meu hobby. Mas naquela época, quando eu era criança e pescava no lago, os aviões sempre costumavam cortar o céu, passando sobre a minha cabeça, e eu sonhava com o dia em que eu próprio me tornaria um piloto e estaria pilotando um avião. Aquele era meu único sonho. Agora ele está realizado e que miséria! Agora eu continuamente olho para aquele lago lá em baixo e fico pensando no dia em que eu estiver aposentado para poder ir pescar nele de novo. Aquele lago é tão lindo..." É assim que as coisas acontecem. É assim que as coisas têm acontecido com você. Na infância você queria crescer depressa porque as pessoas mais velhas eram mais poderosas. Uma criança quer crescer imediatamente. As pessoas mais velhas são sábias e a criança sente que qualquer coisa que ela faça está sempre errado. Pergunte então a uma pessoa mais velha. Ela sempre acha que quando a infância se foi, tudo foi perdido, o paraíso estava ali, na infância. E todos os velhos morrem pensando na infância, na inocência, na beleza, no mundo de sonhos.
Qualquer coisa que você tenha, parece sem utilidade; qualquer coisa que você não tenha parece de grande utilidade. Lembre-se disso porque senão a meditação não poderá acontecer, porque meditação significa essa compreensão da mente, do trabalho da mente, do verdadeiro processo da mente.
A mente é dialética, ela faz com que você se mova repetidas vezes em direção aos opostos. E isso é um processo infinito, ele nunca se acaba, a não ser que você, de repente, o abandone, a não ser que, de repente, você se torne consciente do jogo, a não ser que, de repente, você se torne alerta a respeito da trapaça da mente, e você pare no meio.
Parar no meio é meditação.
A terceira coisa: porque a mente consiste em polaridades, você nunca é um todo. A mente não pode ser um todo, ela sempre é metade. Quando você ama alguém, você já observou que você está suprimindo o seu ódio? O amor não é total, ele não é um todo, exatamente atrás dele todas as forças escuras estão escondidas e elas podem entrar em erupção a qualquer momento. Você está sentado em cima de um vulcão.
Quando você ama alguém, você simplesmente se esquece de que você tem raiva, de que você tem ódio, de que você é ciumento. Você simplesmente deixa tudo isso de lado, como se isso nunca tivesse existido. Mas como você pode deixar tudo isso de lado? Você pode simplesmente esconder no inconsciente. Assim, na superfície você pode se tornar amoroso, mas lá no fundo o tumulto está escondido. Mais cedo ou mais tarde você vai ficar de saco cheio, o amado terá se tornado familiar.
Dizem que a familiaridade cria desprezo, mas não é que a familiaridade cria desprezo - a familiaridade faz você ficar de saco cheio. O desprezo esteve sempre ali, escondido. Ele vem à tona, ele só estava esperando o momento certo, a semente estava ali.
A mente sempre tem o oposto dentro dela e esse oposto vai para o inconsciente e fica ali esperando pelo seu momento para vir à tona. Se você observar minuciosamente, você sentirá isso a todo momento. Quando você diz para alguém "eu te amo" feche os seus olhos, seja meditativo, e sinta - existe algum ódio escondido? Você irá senti-lo. Mas você não quer encarar isso porque a verdade é muito feia - a verdade que você sente ódio pela pessoa que você ama - por isso você engana a si mesmo. Você quer escapar da realidade, assim você esconde. Mas, esconder não vai ajudar, porque assim você não está enganando à outra pessoa, você está enganando a si mesmo.
Assim, sempre que você sentir alguma coisa, feche os olhos e vá para dentro de si mesmo para encontrar o oposto em algum lugar. Ele está ali. E se você puder ver o oposto, isso dará a você um equilíbrio. Então você não irá dizer "eu amo você". Se você for uma pessoa verdadeira você irá dizer: "meu relacionamento com você é de amor e ódio".
Todos os relacionamentos são relacionamentos de amor/ódio. Nenhum relacionamento é puro amor e nenhum relacionamento é puro ódio. Ele é ambos: amor e ódio. Se você for verdadeiro você estará em dificuldades. Se você disser para uma garota: "meu relacionamento com você é ambos: amor e ódio. Eu amo você como nunca amei alguém e eu odeio você como nunca eu odiei alguém", será difícil para você se casar, a não ser que você encontre uma garota meditativa, que possa compreender a realidade, a não ser que você possa encontrar uma amiga que possa compreender a complexidade da mente.
A mente não é um mecanismo simples. Ela é muito complexa e através da mente você nunca pode se tornar simples, porque a mente segue criando enganos. Ser meditativo significa estar alerta para o fato de que a mente está escondendo alguma coisa de você, de que você está fechando os olhos para alguns fatos que estão perturbando. Mais cedo ou mais tarde aqueles fatos perturbadores virão à tona, vão se apoderar de você, e você irá em direção ao oposto. E o oposto não está lá longe, num lugar distante, em alguma estrela. O oposto está escondido atrás de você, dentro de você, em sua mente, no próprio funcionamento da mente. Se você puder compreender isso, você irá parar no meio.
Se você puder ver o eu amo e o eu odeio, de repente, ambos irão desaparecer, porque ambos não podem existir juntos na consciência. Você tem que criar uma barreira: um terá que existir no inconsciente e o outro no consciente. Ambos não podem existir na consciência, eles irão negar um ao outro. O amor destruirá o ódio, o ódio destruirá o amor, eles terão que equilibrar um ao outro e eles simplesmente irão desaparecer. A mesma quantidade de ódio e a mesma quantidade de amor irão negar um ao outro. De repente eles irão evaporar - você estará ali, mas nenhum amor e nenhum ódio. Então você estará equilibrado.
Quando você está equilibrado, a mente não está lá - então você é um todo. Quando você é um todo, você é sagrado, mas a mente não está lá. Assim, meditação é um estado de não-mente. Através da mente esse estado não é alcançado. Através da mente, qualquer coisa que você fizer, ele nunca será alcançado. Então, o que você está fazendo quando você está meditando?
Pelo fato de você ter criado tanta tensão em sua vida, você agora está meditando. Mas isso é o oposto da tensão, não a verdadeira meditação. Você está tão tenso que a meditação se tornou atraente. É por isso que no Ocidente a meditação atrai mais do que no Oriente. É porque no Ocidente existe mais tensão do que no Oriente. O Oriente ainda está relaxado, as pessoas não estão tão tensas, elas não estão se enlouquecendo tão facilmente, elas não cometem suicídio tão facilmente. Elas não são tão violentas, tão agressivas, tão apavoradas, tão amedrontadas - não, elas não estão tão tensas. Elas não estão vivendo essa correria louca onde nada além de tensão é acumulado.
Assim, se o Mahesh Yogi vier à Índia, ninguém o escutará. Mas na América, as pessoas ficam loucas com ele. Quando existe muita tensão, a meditação atrai. Mas essa atração é de novo a mesma armadilha. Isso não é verdadeira meditação, isso é de novo um engano. Você medita por uns poucos dias, você se torna relaxado e, quando você se torna relaxado, de novo surge a necessidade de atividades. Você fica de saco cheio e a mente começa a pensar em fazer alguma coisa, em se movimentar.
As pessoas chegam a mim e dizem: "nós meditamos por alguns anos mas agora isso ficou chato, perdeu a graça". Há poucos dias uma garota veio a mim e disse: "agora a meditação não tem mais graça alguma, o que eu devo fazer?"
Agora a mente está procurando por alguma outra coisa, agora ela já teve bastante meditação. Agora que ela já está relaxada, a mente está pedindo por mais tensões - alguma coisa que possa perturbá-la. Quando ela diz que agora a meditação não tem mais graça, ela quer dizer que agora não há mais tensão, assim como pode a meditação ter graça? Ela terá que ir atrás de tensões novamente, aí a meditação de novo se tornará algo valioso.
Veja o absurdo da mente: você tem que ir embora para chegar perto, você tem que se tornar tenso para ser meditativo. Mas isso não é meditação, de novo isso é uma trapaça da mesma mente. Numa nova dimensão, o mesmo jogo continua.
Quando eu digo meditação, eu quero dizer: ir além das polaridades opostas, deixar de lado todo o jogo, olhar para o absurdo disso e transcendê-lo. A própria compreensão se torna transcendência.
A mente forçará você a se mover para o oposto - não se mova para o oposto. Pare no meio e veja que isso tem sido sempre uma trapaça da mente. É assim que a mente tem dominado você - através do oposto. Você já percebeu isso?
Depois de fazer amor com uma mulher, você de repente começa a pensar em abstinência sexual, brahmacharya e isso exerce uma fascinação tão persuasiva que naquele momento você sente como se nada mais existisse para ser alcançado. Você se sente frustrado, enganado, você sente que não havia nada naquele sexo e que somente bramacharya contém a felicidade. Mas depois de vinte e quatro horas, o sexo de novo se torna importante, e de novo você se move para ele.
O que a mente está fazendo? Depois do ato sexual ela começa a pensar no oposto, o qual, de novo, cria a vontade do sexo.
Um homem violento começa a pensar na não-violência, então ele poderá facilmente se tornar violento de novo. Um homem que fica raivoso repetidamente, sempre pensa em não ter raiva, sempre decide não ficar raivoso novamente. Essa decisão ajuda-o a ficar com raiva de novo. Se você realmente não quiser ficar raivoso de novo, não tome decisão contra a raiva. Simplesmente olhe para a raiva e olhe para essa sombra da raiva que você pensa que é não ter raiva. Olhe para o sexo e para essa sombra do sexo que você pensa que é brahmacharya, abstinência sexual. Isso é só negatividade, ausência. Olhe para o excesso do comer e para a sua sombra que é o jejum. Jejuns sempre seguem o comer demais, a indulgência demasiada é sempre seguida por votos de celibato; a tensão é sempre seguida por algumas técnicas de meditação. Olhe para essas coisas juntas, sinta como elas estão relacionadas, como elas são parte de um só processo.
Se você puder compreender isso, a meditação acontecerá em você. Na verdade, ela não é algo a ser feito, ela é uma questão de compreensão. Ela não é um esforço, ela não é algo a ser cultivado. Ela é algo a ser profundamente compreendido.
Compreensão dá liberdade. Conhecer todo o mecanismo da mente é transformação. Então, de repente, o relógio pára, o tempo desaparece. E parando o relógio, não existe mente. Parando o tempo, onde você está? O barco está vazio.
O homem do Tao age sem impedimentos.... Você age sempre com impedimentos, o oposto está sempre ali criando o impedimento, você não é um fluxo.
Se você ama, o ódio está sempre ali como um impedimento. Se você se movimenta, alguma coisa está puxando você para trás, você nunca se move totalmente, alguma coisa sempre fica para trás, o movimento não é total. Você se move com uma perna, mas a outra perna não se move. Como você pode se mover? O impedimento está ali.
A sua angústia, a sua ansiedade é esse impedimento, é essa contínua movimentação de uma metade e não movimentação da outra metade. Por que você está tão angustiado? O que cria tanta angústia em você? Qualquer coisa que você faz, porque você não fica feliz fazendo aquilo? A felicidade somente pode acontecer para o todo, nunca para a parte.
Quando o todo se movimenta sem qualquer impedimento, o próprio movimento é felicidade. Felicidade não é alguma coisa que vem de fora - ela é uma sensação que vem quando o seu Ser como um todo se movimenta, o próprio movimento do todo é felicidade. Não é alguma coisa acontecendo para você, ela surge a partir de você, ela é uma harmonia no seu Ser. Se você está dividido - e você está sempre dividido: metade se movendo, metade segurando; metade dizendo sim, metade dizendo não; metade amando, metade odiando. Você é um reino dividido, existe um conflito constante dentro de você. Você diz alguma coisa mas aquilo nunca é o que você quer dizer, porque o oposto está ali impedindo, criando uma barreira...
A mente entra quando você está dividido. A mente se alimenta com a divisão. É por isso que Krishnamurti segue dizendo que quando o observador se torna o observado, você está em meditação...
Sempre que a mente entra, ela entra como uma força controladora, um administrador. Ela não é o mestre, ela é o administrador. E você não chega até o mestre se o administrador não for colocado de lado. O administrador não permite que você alcance o mestre, o administrador sempre se mantém de pé diante da porta, controlando. E todos os administradores administram mal - a mente tem feito um grande trabalho de má administração...
Lao Tzu disse: quando não havia nem um simples filósofo, tudo se resolvia, não haviam perguntas e todas as respostas estavam disponíveis. Quando os filósofos surgiram, as perguntas vieram e as respostas desapareceram. Sempre que há uma pergunta, a resposta está muito longe. Sempre que você pergunta, você nunca obtém a resposta, mas quando você pára de perguntar, você descobrirá que a resposta sempre esteve ali...
O que é felicidade? Felicidade é a sensação que surge em você quando o observador se torna o observado. Felicidade é a sensação que surge em você quando você está em harmonia, não fragmentado, uma unidade, não desintegrado, não dividido. Essa sensação não é algo que vem de fora. Ela é a melodia que cresce em você a partir da sua harmonia interior...
O sol está nascendo... de repente você olha e o observador não está ali. O sol não está ali e você não está ali. Não há nenhum observador e nenhum observado. Simplesmente o sol está nascendo e a sua mente não está ali para controlar. Você não vê e diz: "o sol está lindo". No momento que você disser, a felicidade foi perdida. Então já não existe nenhuma felicidade, ela já se tornou passado, ela já se foi.
De repente você vê o sol nascendo e aquele que vê não está ali, aquele que vê ainda não entrou, ainda não se tornou um pensamento. Você ainda não olhou, não analisou, ainda não observou. O sol está nascendo e ali não existe ninguém, o barco está vazio, existe felicidade, um vislumbre. Mas a mente imediatamente entra e diz "o sol está lindo, esse nascer do sol está lindo". A comparação entrou e a beleza foi perdida.
Aqueles que sabem, dizem que sempre que você diz: "eu te amo" para uma pessoa, o amor foi perdido. O amor se foi porque o amante entrou. Como pode existir amor quando a divisão, o controlador entra? É a mente que diz: "eu te amo", porque, na verdade, no amor não existe nenhum eu e nenhum tu. No amor não existem indivíduos. O amor é uma fusão, uma dissolução, eles não são dois.
O amor existe, não os amantes. No amor, o amor existe, não os amantes, mas a mente entra e diz: "eu estou amando, eu te amo". Quando o "eu" entra, a dúvida entra, a divisão entra e o amor não está mais ali.
Muitas vezes em meditação você tem alguns vislumbres. Lembre-se: sempre que você sentir tais vislumbres, não diga: "quão belo é", não diga "quão amoroso é", porque é assim que você perde o vislumbre. Sempre que o vislumbre vier, deixe que ele esteja ali...Quando em meditação você tiver um vislumbre de algum êxtase, deixe que ele aconteça, deixe-o ir fundo. Não divida a si mesmo. Não faça qualquer declaração, senão o contato será perdido. "

OSHO - The Empty Boat - discurso n. 2 (Tradução: Sw. Bodhi Champak) Posted by Picasa